O que é o sucesso em uma empresa?

Que fatores contribuem para o sucesso e insucesso empresarial?

Como posso ter um processo mais claro que me permita mover de forma confiante e eficaz durante a minha etapa inicial enquanto empreendedor?

Os empreendedores quando iniciam, e tentam manter e fazer crescer a sua empresa, precisam de perceber e identificar de forma clara alguns elementos. Por exemplo, perceber e saber o que a própria pessoa entende como sucesso. Perceber qual será a manifestação real desse mesmo sucesso e a sua exigência para as pessoas, para a marca e para a empresa. Estes são alguns elementos essenciais antes de iniciar a vida de empreendedor.

No caso de serem pessoas que gostam de obter informação sobre as coisas antes das iniciarem, já chegaram à conclusão que são mais as empresas que fecham do que aquelas que se conseguem manter no mercado por períodos superiores a 5 anos. Porquê?

No sentido de facilitar esta viagem e ter um melhor enquadramento e estar mais preparado, deixamos uma lista dos fatores que mais contribuem para o insucesso e sucesso das empresas. Pede-se uma leitura atenta, e um reflexão sobre estes fatores e a sua existência dentro de uma organização.

FATORES QUE CONTRIBUEM PARA O INSUCESSO

  • Incapacidade de criar e entregar valor real e útil ao consumidor;
  • Fraca relação e envolvimento com o cliente;
  • Fraca capacidade de conversão das pessoas em utilizadores do produto e serviço;
  • Canais de venda e comunicação fracos e pouco planeados;
  • Falta de autenticidade e transparência;
  • Incapacidade de competir;
  • Falta de controlo das finanças;
  • Falta de Estratégia e Liderança;
  • Falta de criação de envolvimento e ligação profunda com os colaboradores e criação de uma comunidade de marca;
  • Sistemas de negócio fracos, pouco sustentáveis a longo prazo e pouco orientados à lucratividade;

FATORES QUE CONTRIBUEM PARA O SUCESSO

  • Planos escritos, redigidos e pensados, sobre onde estão, para onde vão e como vão lá chegar. Sem nunca esquecer o seu porquê;
  • Grande Mobilidade e capacidade de Adaptação Estratégica e Operacional;
  • Conhecimento elevado ou acima da média sobre o ‘’jogo’’ das finanças, economia e dinheiro;
  • Relações e Influência efetiva com partes e pessoas capazes de fazer as coisas acontecerem;
  • Orientação para a ação, resolução de problemas e resultados;
  • Capacidade de atrair, alocar e reter diversos recursos;
  • Confiança apoiada na eficácia;
  • Compreensão e utilização efetiva do fator tempo X ações X resultados;
  • Serviços e produtos Excecionais;
 
Image for post

Agora que já existiu um momento de consciencialização sobre alguns elementos associados às possibilidades de sucesso e insucesso de uma empresa, marca e sua impressão no mundo, ficamos mais capazes de perceber como trilhar um caminho mais ‘’certo’’ para o sucesso.

Agora que já existiu um momento de consciencialização sobre alguns elementos associados às possibilidades de sucesso e insucesso de uma empresa, marca e sua impressão no mundo, ficamos mais capazes de perceber como trilhar um caminho mais ‘’certo’’ para o sucesso.

Mas antes de avançarmos, é importante perguntar.

O que é para si o sucesso?

O que será o sucesso para a sua empresa?

Qual a imagem de sucesso para a sua equipa?

É fulcral que o empreendedor tenha respostas claras a estas perguntas. Porém nem sempre é fácil ter uma resposta concisa, clara e que não levante duvidas.

Alinhamento do cenário de sucesso com a substância da marca

Uma das estratégias e práticas que permite ter uma visão mais clara daquilo que o sucesso representa, é orientar este exercício com foco na substância da marca. Isto é, qual a sua missão, visão, valores, objetivos e resultados.

Uma empresa ao cumprir a sua missão, e caminhando do sentido da sua visão, alimentada por pensamentos, sentimentos e ações assentes nos seus valores, fica mais capaz de cumprir o seus objetivos e recolher os resultados que somados, sentidos e partilhados representarão o sucesso.

Neste momento pode até parecer que obter sucesso, nem é assim um caminho tão difícil para quem quer ser empreendedor. Será mais fácil, como qualquer tarefa, quando tendo em conta a exigência, existe uma capacidade adequada de resposta. Apesar de não ser difícil, pode ser um pouco complexo. Sendo um dos pontos essências aquilo que se faz, ou seja as ações tomadas em direção a um resultado.

Assim, avance com calma e alinhe pensamentos, sentimentos e ações, seus e se for caso dos outros, tendo com foco estes 5 elementos e a sua relação e contributo à direção do sucesso da sua empresa.

  • Cumprir uma missão;
  • Caminhar para construir e atingir a visão;
  • Pensar, sentir e agir com base nos valores;
  • Definir e cumprir objetivos, a curto, médio e longo prazo;
  • Atingir, medir, avaliar, utilizar e orientar resultados;

Em palavras pode parecer mais fácil do que na realidade, principalmente quando falamos de empresas grandes. Além disso todos os elementos são fáceis de escrever, 10 minutos na internet e rapidamente percebemos o que escrever e como os definir. Assim, talvez, e ao que parece é o planear de forma informada, integrada e que permita alocar esforços e recursos de forma sustentável e promotora de resultados, através de uma implementação e operacionalização efetiva, onde a avaliação seja fácil de aplicar e a reorientação seja feita no sentido de uma aprendizagem inteligente, crescimento adequado e sustentável, possibilitando sempre uma progressão.

 
Image for post

Por exemplo, é fácil a Maria, abrir a empresa e criar a marca de biscoitos de avelã que sempre sonhou. Definir a missão também é fácil, ‘’Dar todo aquele prazer aos amantes de biscoitos com uma surpresa da avelã.’’. Ter uma visão é simples, daqui a 5 anos ter a marca ‘’Biscavelã’’ líder no mercado de biscoitos artesanais. A definição de valores também é relativamente fácil, temos a paixão, sustentabilidade, prazer e alegria para todos os apaixonados por biscoitos e para aqueles que ainda não sabem, mas são apaixonados por biscoitos de avelã.

A parte mais chata para a Maria, talvez seja o próximo passo, dependendo da sua ‘’resourcefulness’’ e alguma experiência.

Quais os objetivos a definir a curto, médio e longo prazo, para poder agregar e manifestar estas 3 ideias. Como estão estes objetivos relacionados e dependentes uns dos outros? É um exercício de organização cognitiva e integração em ação individual e coletiva, um pouco mais intenso.

Ao cumprir o objetivo o que acontece a seguir? Pois parada não pode ficar, pois pouco ou nada acontece (tivemos agora o exemplo com a pandemia do COVID-19, onde o ficar parado para muitas empresas foi fatal).

Assim, com este pequeno exemplo, chegamos a importância e à vitalidade da funcionalidade. Isto é, a capacidade que uma empresa, uma marca e suas pessoas têm em desenvolver um conjunto de atividades, processos de forma eficaz, que permita ao todo funcionar e manter níveis de atividades internos e externos que produzam resultados.

Para aqueles que estão a começar esta é uma atividade, onde chegamos à questão ‘’Por onde começar?’’.

Para aqueles que vão a meio e desde o inicio, não acompanharam aquilo que dentro da sua empesa, marca e pessoas funcionava e o seu porquê e como, também pode ser um exercício meio complicado, pois a organização não pode parar.

Estas ideias podem ou não ser importantes para o empreendedor ou para a sua equipa, principalmente quando falamos de níveis de consciência e manifestação organizacional. Neste sentido, é importante então organizar e apresentar a próxima parte do artigo.

Como organizar uma empresa, uma marca e suas pessoas de uma forma que promova uma maior capacidade de sucesso, tendo como base para o alinhamento da estratégia a substância da empresa e da marca. Isto de forma funcional e sustentável.

A ideia das áreas funcionais é uma ideia conceptual, bastante aplicável e fácil de compreender na realidade das organizações. Perceber um pouco mais sobre esta ideia irá permitir:

  • Um pensar, sentir e agir mais organizado e claro;
  • Melhor capacidade de planeamento, decisão e avaliação;
  • Maior capacidade de definição de medidas de crescimento e desenvolvimento a curto, médio e longo prazo;
  • Maior controlo dos ritmos da organização e das pessoas, de acordo com funções, atividades e tarefas;
  • Maior compreensão das necessidade e exigências necessárias ao alinhamento da empresa, marca e pessoas;
  • Identificação e potenciar focos de ação e resultados de uma forma mais integrada;

As áreas funcionais são áreas necessárias às empresas que permitem organizar e compreender as diversas unidades que completam o todo da organização e que possibilitam um correto fluxo de funcionalidades, através da análise, planeamento, implementação, operacionalização, capacitação e avaliação de atividades, processos e tarefas.

Estas diferem consoante os autores, porém destacam-se as principais, e algumas características das mesmas para que os leitores possam pensar, refletir, decidir e agir de acordo com as suas necessidades, desejos e objetivos.

VENDAS

  • Fator Primordial Para Sustentabilidade Da Empresa;
  • Responsável Pela Receita E Geração De Lucro;
  • Relação com o Marketing, Branding, Serviço Ao Cliente, I&D, Entre Outros;
  • Preocupado Em Como Vender;

MARKETING

  • Promover e Publicitar ao consumidor alvo;
  • Responsável pelo sucesso a longo prazo, lucratividade e quotas de mercado;
  • Efeitos diretos nas vendas e crescimento da empresa;
  • Criação e planeamento de atividades e campanhas;
  • Responsável por acompanhar a concorrência;

SERVIÇO AO CLIENTE

  • Interação com o cliente;
  • Preocupado com o antes, durante e após a compra;
  • Preocupação em promover um bom serviço;
  • Necessária uma gestão eficaz da relação com o cliente;
  • Criação de mecanismos de envolvimento e lealdade;

BRANDING

  • Preocupação com a gestão da marca e da sua identidade, em termos de estratégia, posicionamento, formas e elementos de expressão, comunicação, expressão visual e gráfica, entre outros;
  • Foco nos pontos de interação e experiência de cada momento e elemento de toque associado;
  • Gestão do pontos de toque da marca e seus efeitos na construção de perceção e representação da marca na mente e comportamento dos consumidores a nível individual e coletivo;
  • Possível gestão de cultura de marca, associado aos elementos de toque da marca;

FINANÇAS E CONTABILIDADE;

  • Responsabilidade pela contabilidade, auditoria, planeamento e organização das finanças;
  • Controlo e gestão do cash-flow;
  • Responsável pela existência da empresa, pois é impossível operar sem dinheiro;

INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS;

  • Responsável pelas Ferramentas, como computadores e gestão e aproveitamento de sistemas de informação;
  • Responsabilidade em manter um fluxo operacional eficaz e produtivo;
  • Criação e angariação de software para outros departamentos;
  • Assistência operacional;
  • Utilização e gestão de dados de todas as áreas;

LOGÍSTICA;

  • Processamento de pedidos, ordens de necessidades internas e externas;
  • Controlo de inventários;
  • Informação, manutenção, transporte, acondicionamento, e proteção de material e outras informações através de sistemas de cadeias e aportes de distribuição;

ADMINISTRAÇÃO;

  • Responsável pela gestão, planeamento, tomada de decisão e revisão de todas as áreas;
  • Distribuição e fluxo de informação e operações.

INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO;

  • Responsável e catalisador pela inovação e vantagem competitiva em processos e sistemas;
  • Acompanhamento e descoberta de tendências;

RECURSOS HUMANOS;

  • As pessoas são um dos fatores mais importantes na organização;
  • Recrutamento, salários, benefícios, sistemas de carreira, cultura e formação;

DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS;

  • Preocupação em criação de valor, crescimento e desenvolvimento a longo prazo, da empresa e da marca de acordo com os seus objetivos;
  • Interação permanente com questões internas e externas da organização, e resultado das interações com o mercado, clientes, e outras relações;

São ainda elencadas outras áreas como: Produção, Operações, Compra e Departamento Legal.

Para cada uma destas áreas é importante que o empreendedor tenha resposta a estas perguntas:

  • O que é?
  • Qual a função desta área numa empresa e marca?
  • Quais os objetivos e resultados referentes a esta área?
  • Qual a ligação com as outras áreas?
  • Em que etapa de negócio são mais importantes?
  • Como criar um caminho e um plano de crescimento e desenvolvimento sustentável para cada uma delas, com um compromisso a longo prazo?
  • Quais as funções, tarefas e atividades essenciais a cada uma delas, diariamente, semanalmente, mensalmente, trimestralmente, a 6 meses, a 1 ano, a 3 anos?

É ainda importante que ao responder a estas perguntas, seja possível compreender como estas ideias e respostas, irão impactar o possível desenvolvimento, crescimento e sucesso de uma empresa, de uma marca e das suas pessoas.

Assim no sentido de ir fechando este artigo, fica a ideia dos impactos que estar consciente da existência destas áreas e suas relações e ligações, permite um funcionamento mais sustentável e a longo prazo. Sendo isto potenciado e otimizado em direção ao sucesso da marca, quando alinhado e integrado com a substância da marca para que esta possa existir e viver de forma mais orientado e funcional no mercado.

Além disso observa-se que são ideias que podem permitir:

  • Maior capacidade de preparação e orientação estratégica;
  • Maior capacidade de resposta;
  • Compreender de forma mais significativa as ideias, suas relações, dependências e inovar onde e quando necessário;
  • Maior capacidade de suporte à decisão;
  • Reformulação de pensamentos, sentimentos e ações;
  • Capacidade de avaliação concreta da capacidade de funcionamento e alinhamento à obtenção de resultados, e consequente potencial de sucesso;

Para terminar, é ainda importante levantar a questão de como é que isto pode ser implementado e operacionalizado?

  • Ficam algumas ideias.
  • A ideia é ir implementando;
  • É necessário ter momentos e documentos de análise e de suporte à decisão, orientados aos objetivos e resultados esperados para cada área e sua integração com substância da marca a longo prazo;
  • É importante compreender esta ideia e trabalhar com foco sobre os conceitos de forças, fraquezas e oportunidades e ameaças;
  • É fulcral criar sistemas e fluxos de implementação e operacionalização por etapas e capacidades, tendo em conta linhas temporais e momentos de análise e avaliação;
  • É necessário ter um plano estratégico de ação documentado, que agregue um conjunto de ações alinhadas e adequadas às necessidades e capacidades, necessárias a um determinado momento de um negócio;
  • Nunca esquecer a ligação e efeitos no futuro, e influência, impacto e inter-relação de cada área.

Em jeito de conclusão, após ler este artigo esperamos que esteja mais capaz de integrar na sua mente e nas suas ações, bem como na sua equipa um maior potencial de manifestação de uma realidade organizacional mais alinhada com a substância da sua marca e resultados que se espera que tenha nas pessoas, na sociedade e no mundo.

Bem como uma maior compreensão e conhecimento das funcionalidades e operacionalidades associadas a cada área funcional e como as alinhar de forma estratégica e tática para permitir um futura manifestação de acordo com os seus objetivos. Não se esqueça de ir celebrando e reconhecendo os pequenos sucessos que são estes que acumulados irão resultar no sucesso da sua empresa e da sua marca.

A equipa SP Business Group

18 de Maio de 2020

Q

Couldn’t find what you were looking for? Contact our support